Protocolo Acrílico Premium: conheça os materiais que fazem a diferença no resultado

Protocolo Acrílico Premium

Dentre muitos fatores que resultam em uma prótese acrílica de qualidade, os mais importantes são os materiais utilizados e as técnicas de trabalho. Para conseguirmos resultados satisfatórios, é necessário conhecer os diferentes tipos de materiais, pois a variedade no mercado é muito grande. 

Com a experiência, tempo de trabalho e alguns testes, vamos criando preferências. O conhecimento técnico e prático faz toda a diferença. O detalhe é dominar o material que você usa, conhecer e aperfeiçoar as formas de uso, além disso, saber suas propriedades é o segredo. Por isso, trago os materiais que são, no meu ponto de vista, os melhores para confecção de um protocolo acrílico de alta qualidade. 

Melhores materiais para confecção de um protocolo acrílico premium

Resinas

As resinas termo polimerizáveis são as ideais recomendadas pra próteses definitivas em boca, devido ao seu maior grau de conversão de polimerização.

Resinas das marcas ClássicoVIPI e TDV: utilizo para próteses totais ou parciais e prensagens parciais da prótese ou total.  

Resinas da marca STG: utilizo para caracterização das próteses totais, parciais e protocolos. 

É possível usar uma resina STG para caracterizar uma região vestibular e fazer a prensagem final com a Clássico, VIPI ou TDV. 

Metais

O metal é um material que não aconselho ser reaproveitado, pois pode ocorrer falhas na fundição ou criar bolhas. 

O metal que uso no laboratório é o Fit Cast, pode ser o Fit Cast V ou Fit Cast Titanium. 

Silicone de adição

O que mais recomendo é usar o silicone para gengiva artificial mais flexível, para ter uma adaptação melhor do protocolo depois de finalizado e para conseguimos removê-lo facilmente. O silicone que utilizo é o Gingifast Elastic, da Zhermack. 

Desde o início do trabalho é possível começar vazando a moldagem com esse silicone para criar a gengiva artificial e depois vazar com gesso especial zero expansão.  

3 dicas indispensáveis para um protocolo acrílico premium

  1. Respeitar o tempo de descanso da resina, a temperatura ideal de aquecimento e polimerização final da peça. Obs: analisar a especificação de cada marca, pois cada marca tem seu tempo específico. 
  2. Escolher gessos com menor grau de alteração dimensional, pois os gessos influenciam muito no resultado positivo ou negativo da prensagem. 
  3. Nem só a técnica ou a resina podem fazer a diferença no seu trabalho. Usar muflas e prensas de qualidade com encaixe e resistência influencia na hora de obter uma prensagem mais fiel.  Inclusive, muflas velhas ou distorcidas, prensas fracas e que não aguentam a prensagem total podem alterar o resultado da peça. 

Comentários

2 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *