TPD: de funcionária a empreendedora com Beatriz Vieira [vídeo]

Como iniciei na profissão de técnico em prótese dentária

Confira também o conteúdo em vídeo:

Bom, em 2005, quando eu tinha uns 18 anos, uma tia minha, que é dentista, me convidou para morar com ela e sugeriu que eu fizesse o curso de prótese odontológica, porque segundo ela eu tinha habilidade manual e seria uma boa técnica.

Mas eu nem sabia que existia a profissão de prótese dentária, nunca passou pela minha cabeça nem mesmo fazer odontologia, mas enfim foi a oportunidade que me apareceu naquele momento.

Antes de começar o curso técnico eu comecei a fazer estágio em um laboratório grande de Curitiba, que tinha uma alta produção. Eu cheguei a fazer mais de 2 mil protocolos no tempo que trabalhei lá. E foi aí que eu ganhei muita experiência, conhecimento e agilidade. Mas eu tive que me dedicar muito, muito mesmo. Não era nada fácil, eu passava horas e horas trabalhando e estudando…

Eu conciliava o curso técnico, com o trabalho… Fiquei mais de 10 anos trabalhando nesse laboratório.

Mas chegou uma fase da minha vida, que eu me sentia estagnada, que não tinha mais como eu crescer dentro do laboratório… Era sempre a mesma rotina, eu só estava fazendo mais do mesmo.

Foi então que eu resolvi sair e abrir o meu próprio laboratório.

 

De funcionária a empreendedora

No início, lá dentro do meu laboratório, eu percebi que eu focava muito na qualidade da estrutura do protocolo, na passividade da barra sobre os implantes, e acabava deixando de lado vários pontos importantes na produção da prótese. Foi aí que eu vi que precisava aprender muita coisa ainda, precisava melhorar muito a naturalidade dos meus trabalhos…

Eu não sabia muito o comportamento dos materiais, no caso a resina, né? Eu nunca tinha parado para estudar a química da resina, do que pode ou não pode fazer, de como se respeitar os materiais.

Por isso eu senti a necessidade e fui fazer uma especialização na área, para aperfeiçoar os meus trabalhos, para compreender onde eu estava errando…

E aí sim, eu descobri o quanto de coisa errada que eu estava fazendo. Mas eu nem sabia que era errado, porque eu nunca tinha estudado aquilo. Então, era justamente pela falta de conhecimento que eu estava cometendo vários erros.

E a especialização me clareou muita coisa, abriu minha mente e com certeza, ajudou muito nos resultados nos meus trabalhos e na redução desses erros.

Mas, mesmo assim eu ainda não me sentia totalmente realizada com os meus trabalhos. Eu não estava satisfeita, eu ainda não conseguia reproduzir com tanta naturalidade os meus trabalhos. Eu via fotos dos meus trabalhos em boca e não estava tão natural…

Olha só essas fotos dos meus trabalhos de antigamente:

Eu tinha muito que melhorar, mas eu não sabia identificar o que eu tinha que fazer, eu não sabia como conseguir essa naturalidade para as minhas peças.

Como consegui conquistar resultados mais naturais nos meus trabalhos

Foi quando eu conheci a técnica do Ginetom Rodrigues. Eu via o resultado extremamente natural que ele alcançava nos protocolos cerâmicos e ele abriu os meus olhos e me fez enxergar que poderia usar o mesmo conceito nos protocolos de resina. Ele me deu várias dicas, me ensinou todos os detalhes. E pessoal, a técnica é muito mais simples do que eu imaginava.

Então, eu apliquei tudo o que ele me ensinou e comecei a conquistar os resultados que eu tanto sonhava. Eu terminava um trabalho e me sentia orgulhosa e totalmente realizada com o resultado final. E não era só eu que sentia isso, os meus clientes me elogiavam, o paciente ficava completamente satisfeito e feliz com o trabalho em boca.

E eu comecei a divulgar mais o meu trabalho nas redes sociais. O Ginetom mesmo, me orientou a investir mais nisso, a tirar fotos melhores, a buscar aprender mais sobre isso também… Porque o que adianta você fazer um lindo trabalho, ter conhecimento e não divulgar isso? Ninguém vai saber…

Eu comecei a receber vários convites para dar aulas, para dar palestras… Mas eu não me sentia nada preparada para fazer isso, morria de vergonha de falar em público, só de pensar já me dava um nervoso, mas enfrentei o medo fui.

E as pessoas começaram a se interessar pelo meu trabalho, me pediam dicas, queriam saber como eu fazia minhas próteses… E eu sempre gostei de ajudar. Até hoje mesmo, eu sempre respondo as pessoas que me mandam mensagens, que me pedem ajuda… Mas eu nunca tinha ensinado todo o passo a passo completo do meu método de trabalho.

E nessa época eu acompanhava o Ginetom nos cursos que ele dava. Eu via ele dando aula e percebi que não era assim tão difícil, como eu imaginava. E ele me incentivou muito a começar a dar aula, sempre falava que eu tinha uma didática muito boa, que eu explicava com clareza…

Comecei a dar cursos presenciais e vi que meus alunos estavam conseguindo alcançar resultados sensacionais. E definitivamente, não era só eu que tinha bons resultados, outras pessoas que aplicavam o meu método de trabalho também tinham.

Quando eu comecei eu nem sabia direito o que era dente, eu nunca pensei em trabalhar com isso. Foi necessário muito estudo e persistência pra chegar até aqui. Como sempre falo: a persistência supera o talento, pois não adianta você ter o talento e não se aperfeiçoar, não treinar e não desenvolver essa habilidade com coerência.

Dicas para quem está começando a carreira na área de Prótese Dentária

1 – Aceite que você precisa se aperfeiçoar sempre e também que provavelmente vai aprender errando.

Quando eu errava, eu sempre tentava analisar o porque de estar errando: o que aconteceu pra esse dente ter saído de posição, pra ter dado essa bolha, pra ter dado essa porosidade…  Então eu sempre estava refletindo pra fazer diferente, até chegar numa receita que eu sabia que daria certo.

2 – Pra você ser um bom profissional você não pode ser SÓ um bom técnico

Quando conheci o Ginetom, ele me ajudou a entender que estava investindo muito mais na área técnica do que no meu desenvolvimento pessoal. Eu precisava me expressar melhor e vender melhor meu trabalho, seja através do meu posicionamento, do marketing, das imagens do meu trabalho… Tive também que focar na administração do meu laboratório, que não era algo que eu me dedicava tanto.

3 – É necessário investir em marketing para seu laboratório

Faça um curso de marketing, fotografia, use uma boa câmera, uma boa iluminação para fotografar os trabalhos. Pois como sempre falo: o refinamento está nos detalhes.

4 – Faça o melhor que você puder com as condições que você tem hoje

Entenda que você está lidando com pessoas, essa prótese vai melhorar o sorriso de alguém, então se dedique ao máximo e faça seu trabalho com amor.

 

Torne seu laboratório de prótese dentária digital com a Dental Cremer Lab

Comentários

1 comentário
  1. Olá, boa tarde.
    Sou profético formado na área e nesse momento, não estou em atividade.
    Quero retornar,meu TPD é 2818. Precisaria de um local pra trabalhar, pois precisaria voltar e aprender as coisas novas do mercado.
    Vi suas matérias e fiquei muito feliz com a sua asserção.
    Que Deus lhe dê mais condições que você precisa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *